Dormir sozinha…

Sei que é cedo, que tudo é muito recente, que pessoas normais podem virar monstros e que a gente não pode confiar na própria sombra.
Mas dormir sem ele é tão difícil…
Amo ficar sozinha. Escrevo, faço ginástica de calcinha, assisto filmes europeus, me agarro com mnha gatinha, tenho silencio…
Mas não consigo ir pra cama….
Com ele aqui, eu coloco a minha cabeça um pouco abaixo do ombro sinto o cheirinho dele e pego no sono muito rápido. Agora são 2 da manhã e sem o mínimo sinal de sono.
Vou pra cama e chega desse papo!

Vida ordinária

Na verdade eu não nascí para uma vida ordinária. Acordar, trabalhar, cuidar dos filhos, pedir uma pizza e ir dormir.
Gosto de cuidar, acalentar, mas se sinto que isso começa a pesar sobre mim, é como se tivessem colocado grilhões nos meus calcanhares. E a necessidade, vontade de romper com tudo é imensa.
Minha mãe me chamava de egoísta. Eu acho que não sou, mas deve ser essa fase de romper os grilhões que ela se referia.
De qualquer forma, a vida é breve e fico sentindo que estou desperdiçando meu tempo de novo.

DA INDIVIDUALIDADE E O SEXO

Amo essa idade, não canso de repetir isso…
Tenho um sentimento em cada decisão importante que tenho que dar, igual ao Leonidas do “300”, quando o ventinho bate nos pés e narram: “que ele está tendo uma dimensão maior do ambiente , dos fatos” algo assim, vou pesquisar e coloco uma errata no blog..

E tenho tido isso ultimamente… e sinto o ventinho batendo nos meus pés, quando penso que concluí uma fase importante da minha vida, tenho 34 anos, e o mundo e os meus sonhos esperam por mim, lá naquele lugar que eu sempre amei….

Amo pica, e amo carinho. As vezes não nessa ordem, mas na maioria das vezes nesta ordem.

E, desapontando quem observa, sorry fellows, não é dessa vez que vou me dar mal….

DA VIDA LOUCA

A pressão que o núcleo familiar exerce é grande, e seu poder de escrutínio magoa.

O fato é que temos medo de errar o tempo todo. Já disse anteriormente que quem sabe como é cair, tem medo de cair novamente. A todo o momento nos monitoramos, o grau de sucesso, as vitórias, se estamos em um bom caminho profissionalmente, amorosamente , financeiramente…

E, perceber que a família está comentando que algumas de suas escolhas estão erradas, desestabiliza tudo… a falta de crédito é foda…

DEFINIÇÕES

Núcleo familiar:

Grupo fechado, como uma matilha. Quando um novo membro chega causa desconfiança e uma hostilidade velada
No núcleo familiar, o amor faz cada um cuidar da vida do próximo tão acirradamente que esquece da sua.
No núcleo familiar geralmente a presença do novo estranho é o causador da cascata observacional. ou seja, sua vida vai ser monitorada constantemente e vc acabará se sentindo altamente subestimado.

Adorei essa, era um comment de um blog de fofoca gringo, explicando porque a Jen Aniston mandou expulsar uma mina que tava dando mole pro namorado dela do backstage:

She dont give a fuck! She kicked that bitch out cause the CDC has guidelines for handeling sick monkeys who get loose in public places!

ahahahahahaha, CDC tá mandandoooo

os relacionamentos, cornos e a idade

Era uma mesa com quatro mulheres. Tres na faixa dos 34 e uma que devia ter uns 20. Os assuntos variavam de celulite a origem dos nomes, assuntos bem amenos como era uma conversa entre mulheres que trabalham em uma mesma instituição. Aquela hora era a da pós reunião, e pré festinha que tava começando a rolar.
Cada vez que a menina de uns 20 tomava a palavra, eu tinha que fazer um esforço para mostrar atenção as bostas que ela falava. Ela quebrava o fluxo da conversa da mesa, quando ela intervia com as opiniões bobinhas dela.
Quando o assunto era nomes e como as pessoas eram chamadas, ela começou a falar como o namorado dela a chamava. Que sempre falava o nome dela diminutivo, e quando estava bravo com ela dizia nome inteiro. Eu respirando, e achando um tédio essa mina, quando ela decide , sem querer, fazer a conversa melhorar: “ Porque sabe, meu namorado é um homem, ele tem 29 anos…”. Quando ela acabou de dizer, eu soltei uma gargalhada, que foi sufocada pelos olhares inibidores das colegas de 30 e de indignação da piveta. E ela pra rebater aquela risada louca, fora de hora e sarcástica, começou a descrever o “ homem “ dela de 29 anos, que ele era mesmo um “homem ” porque usava terno e gravata!!!
Eu pensei em dizer que ia considerar ele um homem mesmo, se ele mantiver a pica dura e pendurar a gravata na cabeça do pau.
Após um tempo daquela conversa sem propósito, decidí cagar. Comi pra caramba, descontroladamente, fruto da minha ansiedade atual, e fui para o meu quarto.
A menina de 20 anos dividia o banheiro comigo, eram quartos germinados. Entrei no banheiro, e enquanto defecava, ouvia a puta briga da piveta com o seu amor “homem”.
Ela só falava, e ele só ouvia, ou ignorava, porque se eu namorasse uma louca dessa faria isso. E sabem o que ? Eu fazia isso, quando eu tinha a idade dela, era uma songa dessas, de pegar o telefone e esculachar, querer trabalhar a relação. No caso que eu pesquei, ele ficou puto pq ela ia pra festinha.
Desço para a festa, e vejo a piveta , toda se arreganhando para o menino mais bombadinho e comível do ambiente. E o “ amor homem” pôde sentir, nesse momento, as guampas cornificadas abrindo espaço na sua cabeça de homem….