O ano que passa

O meu aniversário se aproxima. Vou fazer 35 anos, e essa idade está me forçando a uma maior reflexão que os outros aniversários.

O que eu conquistei ou o que não ; o que perdí, o que tenho que recuperar;
sou feliz? Serei feliz? Sou fracassada? Começo a comparar a minha vida até agora com outras mulheres da minha idade…

Porque a minha nóia? Talvez porque:
– falta 5 anos para ter 40.
– vou começar agora a comprar a minha casa
– tive um casamento fracassado
– deixei duas vidinhas que amo e luto para reavê-los
– não tenho filhos – o relógio tá correndo!!!
– to de saco cheio do meu trampo
– ganho muito pouco
– nunca morei em Paris…

O que tenho armazenado de bom desses anos e vivo nesse momento:
– meu estudo
– profissão ( que to mega enojada e enjoada no momento )
– conhecí países e culturas diferentes
– família e pessoas queridas
– falo tres línguas fluentemente
– sexo quase diário
– sei que salvei muitos bichinhos e ensinei poucos a amá-los.

A vontade de dar uma cambalhota, mudar radicalmente tá bombando. Ir embora desse pais injusto, começar a trabalhar com algo que me dê prazer. Foi horrível constatar esses dias que muito da minha garra e força para trablhar vinham de uma competitividade e vontade de dominação minhas, sentimentos stress loucos que eu sempre desprezei. Medo de me tornar o que sempre critiquei.

Sei lá que porra…To com tanto sono que amanha continuo essa divagação de bosta.

Relações virtuais

Tenho Facebook, e hoje decidí fazer uma limpa nele. Deixar as pessoas que eu realmente conheço ou que tenha tido algum contato, nem que seja um “oi” algum dia.

Dentre os deletados, um poeta que bombava meu mail e meu facebook com poesias e mais poesias.

E ele me mandou a última poesia, provavelmente após perceber que eu não estava mais entre os amigos dele:

Assunto: INTÉ!

VOCÊ FOI EMBORA
D’AQUELE JEITO….
TÃO RÁPIDO,
QUE NEM PARECE QUE VEIO.

FIQUE – BEM,

Porra, foi foooda.

Depressão

Me assustei esses dias, me achei deprimida deprimidaça. Estudei o motivo de me sentir assim, sem vontade de nada, de tomar banho, de fazer sexo, andar na praia, brincar com os meus bichos e trabalhar…
Tive uma discussão com meu ex marido e depois de 1 ano falei com a maldita da mãe dele. Mas isso não é suficiente pra me tirar do eixo, não me tirou no passado e porque ia me tirar agora?
Fiquei assim 2 dias, na merda.
Me esforçando para me sentir melhor fui comprar verdes para o almoço e peixe fresco. A peixaria fechada e a verduraria sem tomates. Respiro… Queria comer bem hoje porque na deprê de merda de domingo comi muito pão, uma tentativa de focaccia que fiz e nem chegou perto da que minha tia faz na Itália. E pra fechar a noite de domingo, comí brigadeiro velho do aniversário da minha sobrinha que foi dia 24 de maio.
Não consegui o almoço idealizado e com o cabelo seboso de falta de banho e a tristeza profunda que pesava no meu coração comí pão de novo. Tentei descongelar um bife, que estava congelado muito tempo porque tinha vencido em abril. Não tive coragem de comer carne putrefata, e expliquei pacientemente para o meu namorado que não íamos comer aquela carne, porque o congelamento não para o apodrecimento.
Bem, os fatos do dia não estavam cooperando para me animar. Conversando com a minha mãe depois de um café e papo sobre filmes europeus non sense que amamos, começamos a conversar sobre o meu visível estado de espírito.
Falando, parecia que eu tava desatando o nó e começando a entender o que rolou comigo. Tudo começou com a casa que eu vi e queria muito. Queria e agora não quero mais… Mas não tava lidando com isso consciente porque quero muito um lugar meu. Só que não compreendia os avisos que eu mesma tava tentando calar. Eu não confiei no lugar, acho distante e perigoso. E onde estou agora tenho o suporte de ter a família dormindo a uma quadra, e pode parecer besteira, isso me faz muito bem.
De toda essa confusão e peso no coração etc, tirei uma lição: não desrespeitar e abafar os sinaizinhos que deixam seu espírito agitado. A depressão passou, tomei banho e voltei a trabalhar. E só vou fechar negócio quando estiver muito segura e todos meus padrões forem atendidos.