“ Minha ideologia é o nascer de cada dia. E a minha religião é a luz na escuridão” – Gilberto Gil

Voltei para um lugar repleto de lembranças boas e péssimas, pessoas , lugares que por 6 anos não visitava.

A principio, torturada na véspera da viagem, como se estivesse indo para o abate, com o mesmo sentimento que eu tinha na véspera de uma prova de matemática – um misto de impotência com um grande desagrado em ter que fazer uma coisa  odiosa e contra a vontade.

Lá fui eu. Cheguei no aeroporto, aluguei um carro e peguei sozinha aquela estrada que eu sei décor.

Apos  uma hora de viagem começo  a avistar a paisagem periférica da cidade, e o mar de cana que substituiu a agropecuária. Não tem mais um Nelore no pasto, só cana.

Chego e mergulho de cabeça no trabalho; me sentindo mais confortável, olho aquela cidadezinha com nostalgia, não com saudade; na realidade nunca gostei de morar lá, mesmo que na época não soubesse.

A redenção começou quando fui visitar as pessoas queridas; abracei, chorei.  Lá no meio do sertão, com o chão de terra embaixo dos pés, a chuva caindo. O trauma, o soco é tão grande que a gente corre sem olhar para trás, sem olhar quem você deixa, e que fez parte da sua vida, e de um modo quase espiritual sempre fará.

 

Saí de lá em 2006 magoada pra caralho. Traída , cansada, sem perspectiva e vendo 8 anos da minha vida ruírem, tudo que construí ruiu – casa, família , casamento e amigos. Só no mundo e voltando pra casa dos meus pais com 30 anos.

 

Gente que se mata, eu sei porque se mata. Porque o sentimento de dor e merda e perda e tudo é tão grande que a pessoa se mata. Morre, se enforca , corta os pulsos. E fiquei com dó de gente que se mata, porque voltando pro centro do furacão agora em 2012, eu vi que é igual a musica:  “ tudo passa, tudo passará, nada fica, nada ficará”, e a máxima é: o tempo cura tudo. Cura, cicatriza, pode não passar por completo, mas muda. A gente muda.

 

Tudo pelo que eu sofri se acabou. Emprego, casa, status, tudo se acabou. A casa que eu vivia foi alugada. A casa que foi motivo de tanta inveja, tanta briga; o emprego faliu, todos correram; status? O que é isso mesmo?

 

O que importa é o abraço dos amigos, o olhar de amor, a saudade sincera.

De 8 anos que eu vivi ali, visitei apenas 3 pessoas. E o abraço delas, a lembrança dos pedacinhos de vida que vivemos juntos acalmou meu coração e me fez sentir muito agradecida por ter voltado.

 

E muito agradecida estou tambem por saber que tomei as decisões certas, e não fiquei lá pela casa, emprego e status. Fui embora viver a minha vida e levei o que mais importava : meus bichos. O resto é lembrança, história e tudo passa.

 

O amor, esse fica para sempre.

O significado dos sonhos – coração esvaziado

Descobrindo um novo padrão em mim mesma. Quando um homem me decepciona enormemente, até o resto de estima e carinho evaporar, sonho com outros na mesma noite.

Dessa vez, foi diferente, porque nenhum dos homens que sonhei estou ” pegando” e um deles quebrou meu coração em mil pedaços mas isso foi há 17 anos atras, e definitivamente o primeiro amor.

O sonho começa há 17 anos atras. Ele está aparentemente ao meu alcance mas não consigo tocá-lo. Ele rí, se move como eu o via naquela época, sempre enrolado em um lençol branco flutuante.

Quando finalmente nos tocamos e damos um beijo ele desaparece, some no ar me deixando desconsolada. Surge ao meu lado minha melhor amiga, aquela que tem o dragão e me consola, enquanto choro e repito: ” agora que começamos a nos entender… ” e foi mesmo assim naquela época, quando começamos a namorar e nos entender, tudo desmoronou.

Depois de chorar muito eu durmo. Eu vejo eu mesma dormindo, e chega o meu personal trainer, senta na beirada de onde estou dormindo ( mais parece uma nuvem) e pergunta:

– Está tudo bem?

Sem abrir os olhos respondo:

– Tá tudo bem… daqui a pouco faço os agachamentos…

Ele me olha com ternura e pena.